A CHO Sandra Teschner é a única brasileira a participar de evento internacional sobre felicidade e bem-estar

Hoje (29) de outubro, às 14h45, a fundadora do Instituto Happiness Brasil e Chief Happiness Officer, certificada pela Faculdade da Florida, Sandra Teschner, falará sobre a relação das redes sociais e felicidade no evento internacional Wellbeing 360.

A oitava edição do Wellbeing 360 Summit apresenta: sua caixa de ferramentas para um mundo em mudança, e os participantes serão capazes de obter melhores habilidades para melhorar sua saúde e manter um estado emocional positivo.

Pela primeira vez, o Wellbeing 360 será um evento totalmente online e contará com um programa gratuito que inclui conferências, workshops, entrevistas e painéis sobre cinco eixos fundamentais: Organizações positivas, Bem-estar na educação, Vida significativa, Famílias positivas e Cidades prósperas.

Para se inscrever no evento acesse o link: https://w360summit.com/es

Confira um texto de Sandra sobre o tema:

As redes sociais podem nos trazer (verdadeiramente) felicidade?

Por Sandra Teschner

O dilema social não é nada novo. Um número imenso de aspectos tóxicos no contexto das mídias sociais são conhecidos, não se trata de um enredo secreto, nem de solução mágica sem o conhecimento da fórmula.

Também é inegável que o fato de as pessoas se compararem e terem suas expectativas ampliadas nas redes sociais não contribui para o seu bem-estar subjetivo. Da mesma forma no virtual, como na vida real, as comparações e expectativas são inimigas da felicidade, quando não se baseiam em possibilidades viáveis ​​e no esforço pessoal.

Portanto, culpar totalmente a ferramenta seria isentar o usuário de suas responsabilidades pessoais. E não estou dizendo que “eles” deveriam fazer melhor, reconhecer limites para o lucro e fazer a coisa certa a fazer, o que estou dizendo é, não podemos esperar por isso, sentados meio impotentes, na frente de nossos dispositivos móveis. Podemos, se tivermos consciência de que na vida você e eu apenas temos controle sobre nossas ações e nossas atitudes. Isso é tudo que estamos verdadeiramente no comando.

É sobre assumir responsabilidades. Em uma analogia simples: nenhum de nós duvida que o fast food não é bom para a saúde. Consumir sem moderação, sem alternativas, não dar ao corpo (e à alma) alimentos “de verdade”, vitaminas, nutrientes, “engolir” a comida sem prová-la, sem mastigá-la, levando-a no corpo diariamente às pressas, mais cedo ou mais tarde, acabou nos matando. Consciente disso, e ainda saboreando um Hambúrguer, de vez em quando, ou mesmo sendo um consumidor regular, seja porque o sabor, o ambiente ou a velocidade seja de alguma forma útil ou prazeroso para você, mas ciente de que exige de você uma compensação para o seu corpo, para ter uma vida equilibrada e saudável. Simples assim!

Você não pode culpar permanentemente o sistema, o outro, a ferramenta, as coisas por “nossas escolhas”.

Dito isso, enquanto estamos aqui em um contexto de ciência da felicidade, trarei alguns pontos a serem considerados antes de culpar a ferramenta por todas as doenças dos tempos modernos.

Surpreendentemente para muitos, quando assumimos o papel de controlar nossas ações e atitudes, descobrimos o quanto as mídias sociais têm uma influência positiva! Em contraste com sua fama, desde que usada corretamente, e ciente do “lado negro”, as mídias sociais podem impactar a vida das pessoas de uma boa forma e para sempre.

Eu listo alguns:

  1. Dando voz
    Em primeiro lugar, é a maior plataforma para o uso da nossa voz, que se conhece, permitindo avanços significativos para temas de extrema relevância como Inclusão, Anti-Capacitismo, anti-étnico, anti-racismo, equidade de gênero. Do mesmo ponto de vista, aproximar pessoas dispostas a dar e receber apoio, solidariedade, promovendo o bem-estar social, sobretudo retirando do anonimato pessoas e suas histórias de vida, que se tornam multiplicadores de mudanças positivas através das redes sociais.
  2. Criação de redes positivas relacionadas
    Uma música brasileira diz… “Quando eu olho para o lado, quero ser cercado, só por quem me interessar”. Aumente sua conectividade com quem e com o que você sente afinidade ou que desperta positivamente sua atenção. Nem mesmo as barreiras do idioma sobrevivem aos tradutores da rede. Em qualquer lugar do planeta, você pode encontrar suas “pessoas”, para ter a oportunidade única, nunca antes experimentada por aqueles que vieram antes de nós, de encontrar sua tribo no mundo.
  3. Compromisso
    Abrir um negócio testando-o primeiro, fazendo ajustes, mesmo tendo a participação colaborativa de futuros consumidores, nunca foi tão assertivo e simples. Mas a competição entre todas as possibilidades também é maior, dirão os céticos, mas não se trata de facilidade, é de felicidade, jornada, atitude. Sem dúvida, hoje, o protagonismo do seu negócio, sua marca e como você conta sua história, está em suas mãos.
  4. Trazendo benefícios educacionais e profissionais.
    Alunos, professores, profissionais de destaque e especialistas interagem facilmente nas redes sociais. Múltiplas competências, cursos, mentoria são disponibilizados gratuitamente, sem falar nas oportunidades de seguir o perfil de profissionais renomados, auxiliá-los na vida, apenas para exemplificar alguns.
  5. Aumentar a conscientização:
    fatores facilitadores, cidadania, sustentabilidade
    Colabora na conscientização de cada um de nós independentemente da situação socioeconômica, seja como facilitador dos serviços públicos, seja na construção da cidadania comunitária, participando de fóruns, unindo interesses comuns, religiões ”, possibilitando uma participação coletiva mais ativa.
  6. Como um ingrediente significativo para expandir os negócios. Para os usuários ativos, a conexão é possível nos dois sentidos, você pode atingir todos os tipos de pessoas, idades, dados demográficos e se comparado à publicidade tradicional o menor custo que você pode definir junto com suas estratégias, mas também com suas possibilidades de financiamento. A lista continua. Em todo caso, a ideia é colocar em diálogo a pessoa que vive em cada um de nós, cortando a vitimização e nos colocando à frente de nossas escolhas. Sem dúvida, os grandes atores por trás das mídias sociais têm uma responsabilidade com todos nós, e os gigantes que eles criaram devem ter mecanismos para construir um mundo melhor a partir de seus cidadãos. Mas fazemos nossa parte aproveitando as mídias sociais, e se realmente fizermos isso, eles vão entender que você não pode fazer o que quiser com pessoas que estão cientes e se capacitam com conhecimento. A questão é quem é você em 2020? Pronto para enfrentar os desafios de viver em rede, verificando fontes, antes de ultrapassar, ser criador de conteúdos positivos, bem como aproveitar as oportunidades que surgiram, inclusive a partir de o ano distópico em que vivemos? Ou você pode continuar reclamando, culpando, delegando o que ninguém pode realmente fazer por você: sua parte.

Sobre Sandra Teschner

Sandra Teschner é Chief Happiness Officer, certificada pela University of Florida, autora e palestrante. Especialista em Felicidade Intencional, ele começou a estudar o assunto após sobreviver a uma experiência de quase morte há quase uma década. Empreendedor social apaixonado, cuidar de crianças amputadas, bem como vítimas de doenças raras ou síndromes, que consideram ser agentes multiplicadores para uma vida mais feliz, com impacto na vida de milhares de pessoas. Tudo isso nas redes sociais.

Instagram: @sandrateschner

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s